Vinda de observadores internacionais para acompanhar o processo eleitoral é “muito positivo” e “motivador” – CNE

Vinda de observadores internacionais para acompanhar o processo eleitoral é “muito positivo” e “motivador” – CNE

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email

A presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE) considerou hoje, “muito positivo” e “motivador” a visita de um grupo de sessenta observadores internacionais que deverão acompanhar as Eleições Legislativas de 18 de Abril de 2021.

A presidente da CNE, Maria do Rosário Pereira, fez estas declarações à imprensa após ‘briefing’ de receção dos observadores internacionais que teve lugar hoje no Auditório da Universidade Jean Piaget, com o objetivo, segundo a mesma, de apresentar os preparativos das eleições legislativas que acontece no próximo domingo.

A vinda de observadores internacionais, segundo a mesma fonte, é “uma motivação extra” para os actores nacionais darem o seu contributo para que o processo decorra na “normalidade” servindo para confirmar a leitura internacional que Cabo Verde tem um processo eleitoral “credível, transparente, bem organizado e pacífico”.

Os cerca de 65 observadores são provenientes da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), órgãos da comunicação social estrangeira, bem como da Embaixada dos Estados Unidos da América e credenciadores da União Africana que ainda estão por chegar a Cabo Verde.

Questionada sobre o cumprimento das medidas sanitárias por parte dos partidos, durante a campanha eleitoral, Maria do Rosário, frisou que a CNE tem estado a acompanhar pelo que acredita que, comparativamente a eleição autárquica de Outubro do ano passado, denotou-se “uma melhoria” da parte dos partidos políticos e dos concorrentes, considerando haver nesta presente campanha “menos comícios e ajuntamentos”, mas que entretanto, “continua a ter ajuntamentos, aglomerações”.

A avaliação da presidente da CNE é que “há uma evolução positiva” naquilo que diz respeito ao alinhamento da campanha eleitoral com as exigências do contexto pandémico no país.

FONTE: Inforpress

Opinião