Várias companhias suspendem sobrevoo do espaço aéreo da Bielorrússia

Várias companhias suspendem sobrevoo do espaço aéreo da Bielorrússia

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email

Várias companhias aéreas, incluindo a Air France e Singapore Airlines, vão suspender o sobrevoo do espaço aéreo da Bielorrússia pelas suas aeronaves, após um avião da irlandesa Ryanair ter sido forçado a aterrar em Minsk.

Num comunicado, a Air France indicou que, com base na decisão tomada pelos líderes da União Europeia (UE) na noite de segunda-feira, “suspende até novo aviso o sobrevoo do espaço aéreo bielorrusso pelas das suas aeronaves”.

A companhia aérea acrescentou que acompanha permanentemente a situação geopolítica dos territórios para os quais as suas aeronaves voam ou sobrevoam e “faz cumprir estritamente os regulamentos”.

Os líderes europeus, reunidos em Bruxelas, decidiram na segunda-feira pedir às companhias aéreas europeias que evitem o espaço aéreo bielorrusso, enquanto banem as transportadoras da Bielorrússia na Europa, exigindo ainda mais sanções contra o regime de Lukashenko.

Nessa tomada de posição, os 27 exigiram ainda uma “investigação urgente” por parte da Organização da Aviação Civil Internacional ao incidente, bem como a “libertação imediata” de Roman Protasevich e da sua namorada, Sofia Sapéga, também detida no domingo no mesmo voo.

Também a Singapore Airlines anunciou hoje que mudaria a sua rota de voo para evitar a Bielorrússia.

“Estamos a mudar a rota de nossos voos para a Europa para evitar o sobrevoo do espaço aéreo bielorrusso e continuaremos a monitorar a situação de perto”, disse à agência de notícias AFP um porta-voz da companhia de Singapura.

A holandesa KLM e a finlandesa Finnair tomaram já hoje decisão idêntica, enquanto a alemã Lufthansa, a escandinava SAS e a letã airBaltic o fizeram na segunda-feira.

Hoje, também a Ucrânia anunciou a suspensão de todos os voos de e para a Bielorrússia, encerrando o espaço aéreo do país vizinho para as suas companhias aéreas.

“A partir das 00:00 de 26 de Maio, a Ucrânia suspenderá os voos para a Bielorrússia”, relatou o primeiro-ministro ucraniano, Denis Smigal, na sua conta na rede social Telegram.

A Lituânia anunciou também que vai proibir voos, de ou para o seu território, que cruzem o espaço aéreo bielorrusso.

Cerca de 2.000 aviões por semana efectuam voos comerciais que atravessam o espaço aéreo bielorrusso, segundo a organização Eurocontrol.

Vários países e organizações internacionais condenaram a acção das autoridades bielorrussas, que alegaram ter agido dentro da legalidade ao intercetar o voo comercial da Ryanair.

Roman Protasevich foi director dos canais Telegram Nexta e Nexta Live, que se tornaram as principais fontes de informação nas primeiras semanas de protestos antigovernamentais após as eleições presidenciais de Agosto de 2020 na Bielorrússia.

O activista acabou detido pelas autoridades bielorrussas no domingo, quando os cerca de 120 passageiros do avião da Ryanair foram forçados a submeter-se a novo controlo em Minsk, devido a um suposto aviso de bomba.

As presidenciais de 09 de Agosto na Bielorrússia deram a vitória a Lukashenko, com 80% dos votos, no poder há 26 anos, o que é contestado pela oposição e não é reconhecido pela UE.

Perante um vasto movimento de protesto contra a sua reeleição, Lukashenko orquestrou uma campanha de repressão contra a oposição e os meios de comunicação independentes do país.

Desde o início dos protestos na antiga república soviética, centenas de jornalistas foram detidos e cerca de 20 estão ainda presos.

Em Outubro de 2020, a UE avançou com sanções contra Alexander Lukashenko, reforçando as medidas restritivas adoptadas contra repressores das manifestações pacíficas no país.

Fonte: Lusa

Opinião