Preço dos combustíveis mais barato a partir de hoje

Preço dos combustíveis mais barato a partir de hoje

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email

A Agência Reguladora Multissectorial da Economia (ARME) anunciou novos preços máximos dos combustíveis que ficaram mais baratos a partir da meia-noite de hoje.

O Gasóleo Normal passa a ser vendido a 77,70 ECV, a Gasolina passa a 93,30 ECV; o Gasóleo Electricidade passa a 62,50 ECV; o Gasóleo Marinha passa a 52,40 ECV; o Fuel 380 passa a 54,70 ECV e o Fuel 180 passa a 57,40 ECV.

Já o gás butano passa a ser vendido a granel por 110,70 ECV, sendo que as garrafas de 3Kg passam a custar 316,00 ECV; as de 6 Kg passam a 664,00 ECV; as de 12,5Kg passam a 1.384,00 ECV e as de 55Kg passam a 6.091,00 ECV.

Os dados publicados no Platts European Marketscan e LPGasWire, os preços médios dos combustíveis nos mercados internacionais, cotados em USD/ton, apresentaram descidas significativas durante o mês de março (7,75%), relativamente ao mês de fevereiro.

Os preços do Gasóleo Normal, Gasóleo Electricidade e Gasóleo Marinha diminuiram 17,69%, 21,09% e 21,67, respectivamente. A Gasolina e o Petróleo diminuiram 22, 96% e 23,64%, respectivamente. Os preços do Butano, de Fuel 180 e Fuel 380 diminuiram 19,96%, 11,63% e 13,29%, respectivamente. Isto corresponde a uma redução média dos preços dos combustíveis de 18,99%.

Comparativamente ao período homólogo (abril de 2019), a variação média dos preços dos combustíveis corresponde a uma diminuição de 23,90% e relativamente à variação média ao longo do ano em curso, ela corresponde a uma diminuição de 14,20%.

“O mês de Março de 2020 ficou marcado por uma tendência de descida das cotações do petróleo, num mês em que os mercados internacionais continuaram a seguir com preocupação a evolução dos efeitos na economia da pandemia mundial causada pelo surto de COVID-19, com consequências para sectores como o turismo e o transporte aéreo, o que tem reflexo directo na procura de combustíveis.

Para além disso, o fracasso do acordo entre a OPEP e a Rússia bem como o corte dos preços na Arábia Saudita desmoronaram as cotações do petróleo”, lê-se na nota.

Opinião

Fechar