Paulo Veiga, Carlos Santos e Rui Figueiredo acabam de ser integrados na lista de ministros do Governo do MPD

Paulo Veiga, Carlos Santos e Rui Figueiredo acabam de ser integrados na lista de ministros do Governo do MPD

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email

O acto da tomada de posse foi conferido pelo Presidente da República (PR), Jorge Carlos Fonseca, na manhã desta sexta-feira, 10. O Chefe de Estado acredita num bom desempenho destes actuais ministros.

O ministro-adjunto do Primeiro-ministro e da Integração Regional, Rui Figueiredo Soares, substitui o ministro-adjunto do Primeiro-ministro da Integração Regional, Júlio Herbert, que faleceu em outubro último.

O economista Carlos Santos, natural da ilha de Santo Antão, é o actual ministro do Turismo e transporte. O já conhecido Paulo Veiga ocupa agora o cargo de ministro da Economia Marítima.

Jorge Carlos Fonseca acredita que o sucesso destes três novos ministros “trará sucesso à actividade governativa, desempenhos cada vez mais positivos e com isso ganhamos todos, ganha a nação cabo-verdiana, ganha a economia e ganham os cabo-verdianos”.

Para o Chefe de Estado o turismo, o transporte e a economia marítima são “cruciais” para o crescimento da economia, de forma a criar condições e ter mais empregos diminuindo assim a taxa de desemprego.

Em relação ao ministro-adjunto do Primeiro-ministro e da Integração Regional, Rui Figueiredo Soares, o Chefe de Estado Jorge Carlos Fonseca considerou “muito importante” para o desenvolvimento do país, tendo em conta que o futuro depende grandemente da sua integração.

“Não se trata de nenhuma proclamação ideológica ou identitária. O futuro do país depende da sua integração regional. É um combate de longo fôlego, complexo, difícil, por vezes pouco compreendido, mas todos nós sabemos que do ponto de vista do bom desempenho da economia, de atracção de investimentos, de existência de mercado o trabalho de integração no mais vasto mercado da nossa região é decisivo para um futuro de prosperidade e um Cabo Verde relativamente desenvolvido que todos sonhamos”, acrescentou Jorge Carlos Fonseca.

Opinião

Fechar