João Gomes eleito líder do grupo parlamentar do MpD promete uma bancada dialogante

João Gomes eleito líder do grupo parlamentar do MpD promete uma bancada dialogante

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email

O deputado João Gomes foi eleito sexta-feira, líder do grupo parlamentar do Movimento para a Democracia (MpD) numa corrida em que participou também o deputado Emanuel Barbosa, vencido pela diferença de um voto.

Numa primeira reacção João Gomes prometeu trazer mais diálogo nesta X legislatura, não só entre as duas bancadas (MpD e PAICV), mas também com os deputados da UCID, sobretudo à volta das matérias que exigem a maioria de dois terços.

“As matérias que exigem dois terços são matérias das reformas, se nós não fizermos muitas reformas que o país carece não estaremos a fazer o nosso trabalho e não estaremos a dar resposta que o povo espera de nós. E só podemos aprovar matérias que exigem dois terços se houver diálogo não só entre as duas bancadas, mas também com os deputados da UCID”, sustentou.

João Gomes salientou que há matérias que são muito caras ao MpD, designadamente a da descentralização, mormente na sua vertente regionalização.

Por isso indicou que da parte do partido que venceu as eleições de 18 de Abril há predisposição para dialogar e recuperar o tempo perdido na IX legislatura e concluir a X legislatura com essas reformas.

Por outro lado, prometeu também incutir nos deputados, sobretudo aqueles que fazem o seu primeiro mandato, a necessidade de elevar o discurso para melhorar a imagem externa do parlamento.

“Portanto, é fazer-lhes ver que ganha o debate não aquele que falar mais alto, que discute mais, mas que ganha o debate aquele que trouxer melhor qualidade no discurso e souber passar a sua mensagem. E nós só conseguiremos passar a nossa mensagem se tivermos a serenidade e a tranquilidade necessárias.

O novo líder do grupo parlamentar do MpD nega que há desunião e falta de coesão no seio do partido e justifica a situação registada na eleição dos membros da mesa da Assembleia Nacional com a rejeição do deputado Orlando Dias para o cargo de vice-presidente da Assembleia Nacional como algo “normal em democracia”.

“Aquilo que aconteceu não era o desejado pelo sistema MpD no seu todo, mas atenção, aquilo que aconteceu foi democracia. Os deputados têm liberdade para exercerem a sua deputação e devem fazê-lo, sobretudo, com responsabilidade. Portanto, não aconteceu nada de anormal”, sustentou.

Na votação realizada na sexta-feira, João Gomes, eleito pelo círculo eleitoral de São Vicente, obteve 19 votos, enquanto Emanuel Barbosa, do círculo eleitoral da Europa conseguiu 18 votos, tendo sido registado um voto em branco.

Para o cargo de primeiro vice-presidente do grupo parlamentar foi escolhido Euclides Silva, segunda vice-presidente, Angela Gomes, terceira vice-presidente António Pedro Melo e para quarta vice-presidente, Isa Gandira.

Fonte: Inforpress

Opinião