INTERVENÇÃO DO DEPUTADO FELISBERTO VIEIRA, NO PERIODO DE QUESTÕES GERIAS, DIA 11 DE MARÇO

INTERVENÇÃO DO DEPUTADO FELISBERTO VIEIRA, NO PERIODO DE QUESTÕES GERIAS, DIA 11 DE MARÇO

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Hoje, suscita-me tomar a palavra nesta Casa da Democracia para umas breves considerações, neste pouco tempo disponível, sobre o papel da intermediação política e a função pedagógica dos Partidos Políticos, mormente os com assento parlamentar, para não só se dignificar cada legislatura, mas também para assegurar ao cidadão que está devidamente representado e que a sua vontade tem respaldo útil e necessário.
Escolhi esta temática pelo momento que me é especial, porquanto, nestes últimos trinta anos, o Parlamento tem sido o meu espaço privilegiado de intervenção pública e política e lugar onde, promovendo os meus valores de pertença partidária ao PAICV, tenho procurado colocar os interesses de Cabo Verde em primeiro lugar e, na medida das minhas possibilidades, no bojo da ética republicana.
Nesses anos cruzaram os vários caminhos que fui fazendo acontecer os percursos da minha vida em torno da palavra dita , da palavra escrita, da palavra lida e, assim estudos investigativos procurando sempre um sentido de vida, de ser e de estar, como politico, sociólogo, homem do bem, mas também um rumo vibrante para este meu combate por Cabo Verde.
Não deixo de assinalar com apreço e reconhecimento ao longo de várias legislaturas, quer nos anos noventa, quer nos de dois mil, especialmente, nestas duas últimas legislaturas, o meu testemunho ativo sobre o papel do Parlamento na reformatação da nossa Democracia Constitucional, a cada etapa legislando e fazendo jus ao Estado de Direito e debatendo diferentes pontos de vistas, todos com as suas razões legítimas e válidas, pois é na diferença que nos encontramos e é na diversidade que nos unimos.
Aos meus colegas desta legislatura, ora a chegar ao término, a satisfação de termos feito muito para enformar a estabilidade que o País precisa, mau grado os anos de seca e este último da pandemia de Covid-19, e para dar um sinal claro de que Cabo Verde, sendo Pequeno Estado Insular, é uma Nação complexa e vasta, que se prolonga nos confins das nossas comunidades emigradas e espalhadas pelo Mundo, um desafio que baterá, com mais força e mais acuidade, no portão das próximas legislaturas. Biblicamente falando, a nossa vida só ganha qualidade verdadeira quando somos capazes de reconhecer as nossas falhas. Assim sendo, peço-vos perdão por eventuais falhas ou excessos cometidos.
Apelo a refletirmos, de forma mais orientada e em prol de grandes consensos, sobre o Cabo Verde que queremos no horizonte temporal de 2030, em termos de desenvolvimento sustentável, na medida que mais resiliente, com justiça social e climática, com melhor governação, transparência e liberdade, com mais prosperidade e mais qualidade de vida para todos.
Pessoalmente, como cidadão e noutras frentes, continuarei neste combate por Cabo Verde, pondo tónica na consolidação da transformação, como real agenda para o desenvolvimento, e na convergência dos fundamentais, enquanto sinergia mínima para que consigamos o desiderato nacional.
Agradeço a todos e a cada um o estarmos juntos, nem sempre convergentes, mas sempre na cordialidade e na respeitabilidade que Cabo Verde nos merece e de que os cidadãos esperam de nós. Os partidos, todos eles, no respeito que lhes devo, o desafio por melhor democracia interna, mais pedagogia pública e social, e mais recentragem na realização do bem comum para que, como vaticinava Che Guevara, nos endureçamos na luta sem perder a ternura e, como ensinava Amílcar Cabral, realizemos uma outra terra, a do nosso ideário, nesta nossa terra.
Sermos patriotas e democratas, sermos os soldados em prol do Desenvolvimento de Cabo Verde e da construção da Nação Global, eis o nosso desafio, de mulheres e homens bons. Com civismo, abertura e fraternidade. Com afetividade, aprendendo todos os dias com o dinamismo da vida e com o processo histórico sempre dinâmico.
Temos de ser sempre “os tais…firmes e constantes”, como naquela música dos Da Weasel. A sê-los, continuaremos juntos, noutras frentes e na mesma luta…por Cabo Verde, Sempre.
Obrigado.

Opinião