Curta-metragem “Nó protegé nós minine” vai chegar a todas as localidades da ilha

Curta-metragem “Nó protegé nós minine” vai chegar a todas as localidades da ilha

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email

O grupo teatral Juventude em Marcha prometeu hoje levar a todas as localidades de Santo Antão a sua mais recente obra “Nó protegé nós minine” (Vamos proteger os nossos meninos), no quadro da mostra de filmes desta ilha.

Esta curta-metragem, de autoria e realização de Jorge Martins, interpretada por atores do grupo Juventude em Marcha, teve a sua estreia sábado, 20, na cidade do Porto Novo e, agora, vai ser exibida em várias localidades de Santo Antão durante a mostra de filmes que decorre na ilha.

Jorge Martins explicou à Inforpress que em estreita colaboração com a Associação de Cinema e Audiovisual de Cabo Verde esta produção vai chegar a “todos os cantos e recantos” de Santo Antão, no âmbito do plano de mostras de filmes.

A curta-metragem, que contou ainda com a participação de alunos e professores do agrupamento escolar da cidade do Porto Novo, é uma iniciativa conjunta do grupo Juventude em Marcha e da Rede Local de Prevenção e Combate contra Abusos Sexuais de Menores, financiada pela Cooperação Luxemburguesa.

A produção contou ainda com a colaboração da psicóloga do Hospital Regional de Santo Antão Celeste Chantre e funcionários da Região Sanitária de Santo Antão.

Juventude em Marcha, fundado em 1984, produziu nas últimas três décadas oito obras audiovisuais, sendo a primeira produção o telefilme “Problemas de Família”, em 1986.

Desde essa altura, este grupo teatral, o mais antigo em atividade em Cabo Verde, produziu mais sete obras, a última das quais a curta metragem “Nó protegé nós minine” , cuja estreia teve lugar este fim de semana no Porto Novo.

“Rabo da Bruxa”, “Dilema”, “Preço de Um Contrabando”, “Órfãos do Penedo”, “Partilha das Almas” e “Canjana” (esta uma longa metragem) são os outros filmes produzidos por esta companhia teatral, que no seu repertório tem já mais 40 peças produzidas, desde a sua fundação, há 37 anos.

Opinião