Covid-19. Irão vê subir o número de mortos e o receio nas ruas

Covid-19. Irão vê subir o número de mortos e o receio nas ruas

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email

Ministério da saúde iraniano confirma oito mortes. Na zona urbana de Teerão há cada vez mais pessoas a usar máscaras e luvas, evitando o contacto físico.

O número de mortos provocados pelo coronavírus Covid-19 no Irão aumentou para oito, e o total de casos confirmados passou de 28 para 43, segundo fonte oficial do Ministério da Saúde, sentindo-se o receio nas ruas de Teerão. Segundo o porta-voz do ministério, entre os novos casos confirmados, sete foram registados na cidade santa de Qom, 140 quilómetros a sul de Teerão, e quatro na capital.

Na zona urbana de Teerão, onde vivem cerca de 7 milhões de pessoas, é cada vez mais visível o número de pessoas que andam de máscara e usam luvas, evitando o contacto físico.

Segundo o Diário de Noticias, numa passagem por várias farmácias, são muitos os que compram máscaras. O preço de uma caixa de 10, das mais simples sem respirador integrado, varia entre as 10 mil e as 20 mil liras iranianas (entre 2,15 e 4,30 euros).

Os funcionários das farmácias, todos com máscaras, não quiseram confirmar se o preço tinha aumentado nos últimos dias, limitando-se a dizer que se “vendem bem”. Mas o medo estende-se a vários setores. Nos hotéis, os trabalhadores das receções alertam os estrangeiros e nacionais para terem cuidado e evitarem o contacto físico.

O aumento do número de vítimas mortais e de casos foi feito no mesmo dia em que o Guia Supremo, ayatollah Ali Khamenei, atribuiu à imprensa estrangeira a responsabilidade do medo pelo coronavírus que, alegadamente, contribuiu para a abstenção nas eleições legislativas desta sexta-feira.

A Comissão Eleitoral ainda não divulgou qual foi a taxa de participação, mas a agência semioficial Fars divulgou que o número de votantes em Teerão ficou-se pelos 1,9 milhões embora estivessem recenseados cerca de 9 milhões, o que representa uma abstenção de pelo menos 70%.

Citado pela agência oficial IRNA, Ali Khamenei – que discursava perante outros líderes religiosos -, pediu “vigilância e reação rápida às conspirações inimigas que visam os diferentes pilares do país”.

O primeiro caso de Covid-19 no Irão foi reportado na passada quarta-feira, em Qom, tendo de imediato sido decidido encerrar as escolas corânicas, onde o Corão é estudado por pessoas provenientes, não do resto do país, mas sobretudo do Afeganistão e Paquistão. Nas suas declarações, Namaki pediu para que se evitem viagens para Qom, um destino maioritariamente escolhido por peregrinos xiitas.

“Obviamente que não recomendamos viagens para Qom e outras cidades de peregrinação”, disse.

Além do fecho de escolas e seminários religiosos em Qom, as autoridades decidiram igualmente fechar algumas escolas em Teerão e noutras cidades, para já por dois dias a contar a partir de hoje. As autoridades iranianas estabeleceram 36 postos sanitários em vários pontos fronteiros, para controlar a entrada de possíveis viajantes infetados, uma medida que repete o que foi feito pelas autoridades do Iraque e Afeganistão, países que partilham fronteira com o Irão, para tentar limitar o espalhar da infeção de viajantes iranianos.

Fonte: Diário de Noticias

 

 

 

 

Opinião

Fechar