Coronavírus: Estudantes que estiveram na China recomendados a não saírem de casa durantes os próximos 15 dias

Coronavírus: Estudantes que estiveram na China recomendados a não saírem de casa durantes os próximos 15 dias

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email

Os cinco estudantes cabo-verdianos que chegaram este sábado foram recomendados a não saírem de casa durante os próximos quinze dias. As recomendações de medidas de prevenção são da Delegacia de Saúde de São Vicente.

Para além de emigrantes cabo-verdianos que se encontram a trabalhar, a China tem um total de trezentos e cinquenta  estudantes cabo-verdianos. Os familiares de pelo menos cinco estudantes já podem dormir mais descansados, pois já se encontram no país para o alívio dos pais.

Quinze dias é o período de incubação do vírus (Coronavirus) que já causou pelo menos 362 mortos na China e mais uma nas Filipinas. Os estudantes cabo-verdianos devem permanecer em casa nos próximos quinze dias como medida de prevenção.

Maria da Conceição um dos familiares avançou ao Santo Antão News que a preocupação é inevitável, pois o coronavírus tem-se propagado rapidamente. “Apesar de a minha sobrinha não residir nas zonas onde se registou casos, a nossa preocupação era muita. Ela já se encontra no meio familiar agora é aguardar que tudo corra bem”.

Já para o pai de uma outra estudante, a prevenção não deveria passar apenas por recomendações mas sim realização de análises para despiste. Adiante este pai que ainda mostra-se preocupado.

“A delegacia de saúde nos recomendou a fazer mínimo de contacto as pessoas que acabaram de chegar da China, a estarmos atentos a qualquer sintoma, entretanto eu penso que ao chegarem deveriam ter realizado alguma análise, para o alívio dos pais e ter como prevenir antecipadamente.”

Já o Delegado de Saúde de São Vicente, Elísio Silva em reação ao Inforpress adiantou que a autoridade sanitária de São Vicente já tem em curso o controlo na fronteira e que já colocaram cinco pessoas de “quarentena domiciliar” ou “isolamento profilático voluntário”.

O responsável garante que até agora não houve qualquer registo de caso coronavírus, entretanto tem tido “contacto diário” com os estudantes para saber do estado de saúde e saber se há algum sintoma.

Elísio Silva sublinhou ainda que as autoridades sanitárias na ilha já tiveram reuniões com a associação de empresários chineses e com responsáveis da Embaixada da China que “têm estado a apoiar” nessa prevenção.

Opinião

Fechar