Consórcio luso-cabo-verdiano vence concurso para construção do terminal de cruzeiros de São Vicente

Consórcio luso-cabo-verdiano vence concurso para construção do terminal de cruzeiros de São Vicente

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email

A empresa Enapor anunciou hoje que a obra para construção do terminal de cruzeiros de São Vicente será adjudicada às empresas Mota-Engil – Engenharia e Construção, SA (Portugal) e Empreitei Figueiredo, SA (Cabo Verde), consórcio vencedor do concurso.

Segundo o presidente do conselho de administração da empresa que gere os portos em Cabo Verde, Alcídio Lopes, em comunicado, tendo Cabo Verde obtido a “não-objeção” dos financiadores do projeto, a assinatura do contrato com o empreiteiro selecionado decorrerá nos próximos dias.

A mesma fonte indicou que o prazo para a construção deste que é “um dos maiores investimentos públicos do País”, orçado em cerca de 27 milhões de euros (2,9 milhões de contos), é estimado em 22 meses.

Os trabalhos vão envolver a conquista de um terrapleno, denominada “Ponte Terrestre”, com 2.700 metros quadrados, a dragagem de aproximadamente 124 mil metros cúbicos na bacia portuária e no canal de acesso, e a reabilitação do cais número 9, que passará a servir navios de recreio de pequeno porte.

A obra, que é cofinanciada pelo Fundo Orio, dos Países Baixos, e pelo Fundo OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para o Desenvolvimento Internacional, prevê ainda a construção de um molhe de atracação de 400 metros de comprimento com uma profundidade de 11 metros a norte e nove metros a sul, e uma gare de passageiros com 900 metros quadrados de área e respectivo ordenamento exterior, com a inclusão de um parque de estacionamento.

Alcídio Lopes perspetivou que, com este projeto, São Vicente terá um Terminal de Cruzeiros “inovador, moderno e com características técnicas bastante avançadas”.

A mesma fonte lembrou que 48.500 turistas em viagens de cruzeiro visitaram Cabo Verde em 2019, um aumento de 3 por cento (%) face ao ano de 2018, mas que, devido à pandemia da covid-19, o turismo de cruzeiro ficou paralisado.

Contudo, assinalou, alguns países já retomaram, de forma gradual, a atividade e espera-se que, com a construção do terminal de cruzeiros do Mindelo e a melhoria das condições sanitárias a nível mundial, o País “passe a receber anualmente cerca de 200 mil turistas de cruzeiros”.

FONTE: Inforpress

Opinião