AquaSun renova esperança dos agricultores no combate aos mil pés e na resolução do problema de mercado

AquaSun renova esperança dos agricultores no combate aos mil pés e na resolução do problema de mercado

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email

O projecto AquaSun, que prevê investimentos à volta dos 23 milhões de euros no Porto Novo, em Santo Antão, renova as esperanças dos produtores agrícolas no combate aos mil pés e na resolução do problema de mercado.

No quadro do projecto, que vai estar, esta semana, em discussão entre os investidores e os agricultores, se prevê a instalação em Santo Antão de um laboratório para pesquisas sobre os mil pés (illacme plenipes), além de aquisição de toda a produção agrícola aos agricultores das localidades, para transformação.

Casa de Meio é uma das zonas que vão receber os investimentos e os agricultores, segundo o porta-voz, Miguel Santos, acreditam que este projecto vai, sobretudo, ajudar a resolver o problema do mercado para os produtos agrícolas, derivado da praga dos mil pés, que obrigou as autoridades a decretarem, em 1984, o embargo aos excedentes de Santo Antão.

Além da Casa de Meio, o projecto, que se vai desenvolver numa área à volta de 21 hectares de terrenos, na zona sul da cidade do Porto Novo, envolverá ainda os agricultores de Ponte Sul/Chã de Mato, Lajedos e Ribeira das Patas.

O presidente da empresa Aquasun Energia e Água, António Osório, esperado, esta quinta-feira, no Porto Novo, informou que “a fase do processo do investimento junto dos financiadores e investidores se encontra na sua fase final” e sua deslocação a este município visa “explicar aos agricultores, com mais detalhe, os meandros do projecto”.

António Osório disse que pretende explicar aos produtores em que fase se encontra o projecto e todo o processo que se segue, bem como discutir os contornos da parceria que a empresa pretende estabelecer com os agricultores já a partir de 2022, depois de concluídas as obras.

Os investidores pretendem, no quadro da parceria, adquirir, já a partir do próximo ano, toda a produção aos agricultores das zonas abrangidas e desenvolver acções com vista ao combate à praga dos mil pés, à certificação do queijo e à produção de pasto para os animais.

O projecto AquaSun consiste na montagem e operação de um parque solar híbrido de 7.5 mega-watts (MWp), integrado com uma central de baterias com cerca de 11 mega-watts hora de capacidade, em que a energia produzida será utilizada para dessalinizar mais de 3.500 metros cúbicos de água por dia, exclusivamente para agricultura, hidroponia, pecuária e transformação agro-industrial.

Os investidores perspectivam, com este projecto, uma produção anual de três mil toneladas de produtos diversos (morango, melancia, batatas, tomate, cenoura) para o mercado turístico nacional, pretendendo ainda instalar no Porto Novo um centro de transformação agro-alimentar.

Em Cabo Verde, a empresa tem previsto um investimento superior a 90 milhões de euros (quase 10 milhões de contos), abarcando os municípios do Porto Novo, que irá receber um investimento de 23 milhões de euros, e São Domingos, que irá receber um investimento de 67 milhões de euros.

Fonte: Inforpress

Opinião