Aprovada a criação do Campus do Mar de Cabo Verde

Aprovada a criação do Campus do Mar de Cabo Verde

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email

O referido Decreto-Lei aprovado esta terça-feira pelo Conselho de Ministros estabelece, as condições para o desenvolvimento de forma integrada das atividades de formação técnico-profissional, de ensino superior e de investigação nos domínios do mar, da economia marítima e afins.

O Secretário de Estado para a Educação, Amadeu Cruz anunciou que o Campus do Mar de Cabo Verde terá como Coordenador Executivo o reitor da Universidade Técnica do Atlântico.

O Campus do Mar já tinha sido aprovado no passado mês de julho em reunião do Conselho de Ministros realizada em São Vicente. A sua aprovação final na reunião desta semana culminou no processo de aprovação dos diplomas que criam as instituições que farão parte desse Campus.

O Campus do Mar, de acordo com Amadeu Cruz “está concebido como o braço da formação e da investigação do projeto ZEEEM-SV – Zona Económica Especial de Economia Marítima, centrando-se por isso na formação e qualificação do capital humano, nomeadamente quadros superiores e técnico-profissionais, na promoção da pesquisa aplicada para a materialização das estratégias de desenvolvimento e internacionalização da economia marítima, bem como o incremento da competitividade e da produtividade das empresas que operam no setor”.

A formação técnico-profissional que é suportado pela criação da “Escola do Mar”; o do ensino superior com base na Universidade Técnica do Atlântico, cujo decreto-lei de criação foi aprovado pelo Conselho de Ministros no mês de outubro, e o pilar da investigação, tendo por base a criação do Instituto do Mar, já criado através de decreto-lei já publicado no Boletim Oficial resultam nos três pilares do Campus do Mar.

Segundo o Governante outro objetivo do Campus do Mar è garantir que diversas instituições, cada uma com a sua valência específica, venham a agir concertadamente, sob um modelo de gestão integrado, articulado e racional, permitindo o aproveitamento das sinergias e as potencialidades da gestão partilhada de meios e recursos, para a formação de recursos humanos necessários ao desenvolvimento do setor marítimo em interação com a evolução da investigação aplicada nos domínios da chamada economia azul”.

Opinião

Fechar