Agricultores do Tarrafal de Monte Trigo desanimados com a exportação dos produtos

Agricultores do Tarrafal de Monte Trigo desanimados com a exportação dos produtos

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email

Apesar de terem conseguido todos os anos ter uma grande produção de mandioca e inhame os produtores agrícolas no Tarrafal de Monte Trigo, Santo Antão, estão desanimados por não conseguirem exportar os seus produtos para as outras ilhas.

Informação avançada através do site do programa de promoção das actividades socio-económicas rurais “Poser”, onde explica que o problema do mercado para os excedentes do Tarrafal de Monte Trigo e dos outros vales de Santo Antão resulta do embargo imposto aos produtos agrícolas desta ilha, reinando um certo desânimo no seio dos agricultores.

“Nessa localidade existe uma grande produção de inhame e mandioca, mas derivado ao embargo imposto aos produtos de Santo Antão com destino às ilhas turísticas, reina um certo desânimo no seio dos agricultores”, lê-se na nota, mencionando à “impossibilidade” de os produtores exportarem os excedentes.

Entretanto, no quadro das suas actividades previstas este ano em Santo Antão, a unidade técnica do Poser financiou a recuperação do antigo edifício da central eléctrica do Tarrafal de Monte Trigo, onde será instalado um centro pós-colheita para recolha e tratamento dos produtos agrícolas.

O Poser reconhece ser esta a oportunidade para o programa instalar, também, no Tarrafal uma oficina de transformação agro-alimentar para o aproveitamento dos produtos excedentários, agregando-os valor.

“O objectivo principal é promover a utilização sustentável dos recursos naturais e de novas tecnologias para tratamento e comercialização de produtos agrícolas, aumentando o volume de comercialização e, consequentemente, o rendimento das famílias”, Lê-se ainda na nota.

O Poser, que actua em Santo Antão desde 2014, na promoção de actividades geradoras de rendimentos, é implementado pelo Governo de Cabo Verde, através do Ministério da Agricultura e Ambiente, sendo co-financiado pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e Fundo Fiduciário Espanhol (FFE).

 

Opinião